quarta-feira, 27 de maio de 2015

O inimigo do meu inimigo é meu amigo, até que tenhamos vitória!

Entre a turma do impeachment e a turma da intervenção, fico com os dois!

Afinal, “não importa a cor do gato, desde que ele cace o rato!”
Em certas ocasiões devemos aprender com o inimigo, sob pena de, não o fazendo, estarmos condenados a sucessivas derrotas!
Peguemos como exemplo de tática bem sucedida, o que os “socialistas” do Foro de S. P realizaram: conseguiram juntar, ao redor de objetivos comuns, grupos e organizações que não se entendiam. Em conseqüência, tomaram o poder em quase toda a América Latina.
Isto é (esse comportamento) conseqüência do aprendizado que a esquerda teve com suas sucessivas derrotas, e em especial, com a adoção por parte deles, dos princípios enunciados por Gramsci em seu “cadernos do cárcere”, e tem dado para eles, (para nosso azar), ecelentes resultados!
Minha opinião é que deveríamos aplicar os ensinamentos de Gramsci, porem com o sinal trocado, e caminharmos todos os que se situam do centro para a direita, juntos, em torno daquilo que temos em comum, a convicção de que é preciso urgentemente reverter a tal de “revolução  cultural” Gramsciniana, anulando a modificação já causada por ela na cosmo visão de nossa sociedade.

Nada ganhamos em digladiarmos entre nós, voltemos nossa artilharia para o inimigo comum!