quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Sou pela democracia, enquanto democracia houver...
A cada dia, novas tentativas de impor à nação decretos e leis anti democráticos se repetem. Hoje, somos surpreendidos pelo veto da “presidenta” Dilma ao voto impresso.


Ela, e seu ministro de coleira, Dias Toffoli, são contra a impressão dos votos, pratica que permitiria a recontagem, e conseqüente verificação da legitimidade do resultado apurado pelas urnas eletrônicas.
Se essa é a condição para legitimar o eleito, por que será que a “presidenta” e seu ministro do TSE, que apurou as últimas eleições a portas fechadas, não querem?
Esse é somente o último dos atos anti democráticos desse governo, muitos outros já passaram, alguns poucos denunciados e barrados por esse congresso venal que temos! Afinal, o mensalão e o etrolão foram “inventados” justamente para isso, comprar apoio no congresso, para aprovar os absurdos pretendidos por esse governo, a partir do planejamento feito pelo Foro de SP. E seus estrategistas bolivarianos!
Como diz o título da matéria, Sou pela democracia, farei qualquer coisa, dentro das regras democráticas, para preservar essa democracia, mesmo fraca, que temos, mas... se vier a faltar democracia, se o bolivarianismo que infelicita já países vizinhos tomados pelos bolivarianos do Foro de SP, também posso perfeitamente fazer qualquer coisa para restabelecer a democracia nesse pais, pois para mim é impossível viver sem liberdade, privado de direitos básicos, como o de pensar como quiser, e expressar livremente esse pensamento. Liberdade de ir e vir, sem ter que dizer por que, nem para onde ou por que! Muitos direitos já me foram subtraídos, e estou perigosamente perto do meu limite! Quando vejo bandidos como o Stédile falando em luta armada, sabendo eu que eles tem como modelo, inspiração e fornecedor as FARC, fico a pensar com meus botões, por que não estou, ainda, a tomar as devidas providências? Só mesmo um grande amor pela democracia, e uma fé inabalável em instituições sérias deste país me fazem aguardar ainda, pois esses bandidos que se encastelaram no poder ainda podem ser barrados por dois caminhos: o totalmente democrático, das urnas, se o processo puder ser legitimado pelo voto impresso, e isso depende do congresso nacional derrubar esse veto imoral, e um outro caminho, que embora não seja o mais desejável, talvez se faça inevitável. Que é a intervenção militar para salvar o país do golpe bolivariano.

Fora esses dois caminhos, restara um terceiro, doloroso, sangrento, longo e incerto, que esperamos nunca ter que trilhar, mas que, lamentando, seguiremos, se, por amor à pátria e à liberdade formos a isso compelidos.
Não pensem os lobos da esquerda que o Brasil é uma nação de covardes, Guararapes testemunha que não! Amamos a paz, mas a tal ponto, que tranquilamente morreremos por ela!
Gil Celidonio Jr
http://amoscazombeteira.blogspot.com.br
Brasil, 30/09/2015