terça-feira, 30 de junho de 2015

Alhos e bugalhos.

Me deu cócegas na língua, ouvir a “presidenta” falar, hoje pela manhã, tentando igualar a doação feita pelas empreiteiras do petrolão á sua candidatura com uma outra doação, equivalente em valor, feita pela mesma turma, ao candidato tucano.


Vamos deixar bem claro que não estou aqui defendendo o PSDB, não sou tucano, e na verdade, acho que ambos, PT e PSDB, são sabores diferentes da mesma beberagem tóxica. Explicando: Ambos são partidos socialistas, o PT, de cunho marxista, é mais violento nas suas táticas, irá para o uso da força se necessário, mas enquanto puder, vai utilizar os ensinamentos de Gramsci, e prosseguir “cozinhando o sapo em água fria”. O outro, o PSDB, é mais civilizado, adepto da “escola de Frankfurt” à qual seu fundador e principal expoente, Fernando Henrique, se filiou La atrás, quando da fundação do partido tucano.
Ambos, embora discordem em termos da forma de atingir o objetivo final, concordam e na verdade colaboram quanto ao objetivo final, a meta estratégica a ser alcançada, ou seja: implantar no Brasil, e na América Latina, o socialismo, o regime de partido único, de um só pensamento aceitável por eles, uma economia baseada em controle absoluto do Estado.
Então, se na minha opinião estes dois partidos são equivalentes, no que digo que foram diferentes as doações de campanha efetuadas para ambos, inclusive pela mesma fonte de recursos?
Simples, e fácil de entender, verdadeiro “ovo de Colombo”, uma vez esclarecida a maneira de se colocar esse “ovo” em pé!
É fato mais que conhecido que, nesse país, historicamente, as grandes prestadoras de serviço, ou fornecedoras para órgãos públicos, suprem de recursos os candidatos viáveis. Não o fazem por ideologia, nem por concordar com as diretrizes partidárias, nem com o “plano de governo” anunciado pelas partes.
Fazem as doações por que sabem que sem isso, estarão em desvantagem na licitação de novas obras ou novos fornecimentos aos órgãos públicos! Então, é normal, do ponto de vista deles, que tenham doado tanto a tucanos quanto ao PT, e quantias equivalentes, já que a disputa estava bastante equilibrada!


Então? Qual a diferença? Simples! Tudo se resume em quem segurava a “caneta!” Ou seja, tudo se resume em como esse dinheiro, que não foram “trocados” e sim milhões de reais, foram “arranjados” para que fossem doados como verba de campanha. Vejam, 7.000.000,00 para cada um dos candidatos, estamos falando aqui em algo mais que R$ 14.000.000,00, só para a campanha em si, fora todo o entorno, deputados e senadores, do PT e de seus aliados mercenários, ávidos por dinheiro para suas campanhas caríssimas.
Percebem, senhores? De fato, nada há de ilegal nas doações em si, feitas “legalmente”, declaradas na contabilidade de campanha por ambos os partidos. Porem, no caso do PT, ele “criou” as “condições” para que essas empreiteiras pudessem disponibilizar as milionárias doações que fizeram, na maioria, ao PT e aos seus aliados, durante todo o tempo, inclusive depois de iniciada a apuração pela operação Lava Jato.
A ilegalidde não está, portanto, na doação, mas no super faturamento de obras, como forma de gerar um “sobre preço” capaz de viabilizar essas doações. Doações legais com dinheiro ilegal, são doações ilegais também!

Gil Celidonio Jr.